terça-feira, 22 de maio de 2007

Romaria -Parte II

Saindo de Aparecida, seguimos até Atibaia – e tome biscoitinhos, bolinhos, e tudo mais de comer que aquelas senhoras podiam oferecer. Finalmente chegamos, ao cair da noite, ao convento no qual ficaríamos hospedadas. Era um lugar lindo que mais parecia um hotel fazenda 5 estrelas. Uma área enorme, muitas flores, um clima europeu, e até os hábitos das freiras tinham um corte moderno e de muito bom gosto. Dormimos, quer dizer, eu fui dormir enquanto a minha tia e minha prima juntamente com todas as outras romeiras estavam numa tal de “vivência”. A vivência parecia muito com uma reunião destes movimentos carismáticos, com direito até a uma pira para se queimar os pedidos à “mãe rainha três vezes vencedora de Schuenstach (ou sei lá de quê, nunca sei como se escreve aquilo). Enquanto as freiras e as romeiras queimavam papéis eu dormia.
Acordei e vi da minha janela uma movimentação enorme, era gente que não parava de chegar. Pelo que percebi, o domingo era o dia de maior visitação, chegavam ônibus e mais ônibus. Acordei com o som do coral das freiras que cantava durante a missa matinal. Desci para o café e vi a fila quilométrica, que saía dos limites do convento hotel, para entrar na lojinha de artigos religiosos. Percebi então que toda aquela infra-estrutura, todo aquele aparato era proposital e previamente pensado e desenvolvido para dar conta dos romeiros que faziam esta “rota (passando por Guaratinguetá, Aparecida, Atibaia e que ia até Cachoeira Paulista) da fé”. Assim como há um “comércio santo” há uma “rede hoteleira santa” que atende as demandas desses fiéis com todo o conforto de um excelente hotel – exceto a comida que era horrível, acho que freiras não casam por que não sabem cozinhar. Mas péra aí, eu também não sei cozinhar! Será que não vou casar? Ou será que vou virar freira? Acho que não vou casar... - e por um preço razoável.
E aquela frase ainda ressoava na minha mente: “o comércio é o que sustenta a fé”
(continua)

5 comentários:

Priscilla Santos disse...

HAHAHAHAHAHAHAHAHA

"rede hoteleira santa" foi o melhor conceito da semana!

Feliz disse...

Ana, as Freiras de Maricá cozinham muuuuuuuito bem!

ah! eu ia adorar ficar hospedada num "hotel santo"... com todas aquelas freirinhas bonitinhas!

... to adorando as suas histórias de romaria... continue...

Carlos disse...

Caramba!!! Mãe Rainha, Três Vezes Vencedora... Está cada vez pior... Essa era a Deusa Isis?
E pensar que os católicos perseguiram meu povo durante dois mil anos, alegando que nós eramos os hereges...
Não é a toa que agora tem um Papa que participou do Terceiro Reich...

PS: E não vai ser por falta de saber cozinhar que você não vai casar. Aposto que os homens nem pensam nisso quando olham para você. O único problema é que se você continuar comendo do jeito que está relatando, em breve a única coisa que os homens vão pensar quando lhe virem, é mesmo em cozinha e comida... manera um pouco, Pequena Herege...

Ana Luiza Paes Araújo disse...

hahahaha
O Zé vive me chamando de baranga!
Acho que está mesmo na hora de parar
huahauhauha

Também acho que eles são muito mais hereges que os Judeus!

Carlos disse...

Nós não somos hereges. Não preciso lembrar que o cristianismo é uma heresia judaica.