segunda-feira, 11 de junho de 2007

Ciúme



O amor é paciente, é benigno, o amor não arde em ciúmes, não se ufana, não se ensoberbece, não se conduz incovenientemente, não procura seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal; não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. (ICo 13:4)

Esses dias estive pensando sobre o ciúme, talvez tenha sido por ter sido acometida por rompantes deste terrível sentimento, e fui querer saber o que significava esta palavra:
ciúme
de cio


s. m.,
zelos amorosos;

emulação;

inveja;


A minha amiga Pris, muito inteligente, costuma dizer que tudo o que se quer saber encontra-se no google. Eu, apesar de meu fundamentalismo e minhas convicções religiosas ainda espantarem muitas pessoas, continuo a achar que a resposta para todas as coisas - e a origem de todas as coisas - se encontra na Bíblia.
Aí, fui até o "grande livro preto" para ver o que estava escrito lá sobre esse tal de ciúme. Lembrei-me de Paulo. Ah, Paulo! Deus escolheu muitos homens para falar através deles, mas nenhum como Paulo. Então, li pela enésima vez o capítulo 13 da primeira carta aos coríntios - poderia ter lido os cantares de Salomão, ou os provérbios, mas tive vontade de reler a epístola aos coríntios.
Corinto era uma cidade portuária, grega, onde estava instalada uma das igrejas primitivas. O cristianismo lá enfrentava grandes barreiras: Na própria zona portuária situava-se o templo de Afrodite, todos os dias as sacerdotisas (prostitutas), cerca de mil, desciam para oferecer os seus corpos aos "marinheiros" em sacrifício à deusa; era uma cidade grega e, por isto, compreendia um povo politeísta por excelência e essência, o que dificultava a assimilação de um único Deus trino; havia também o templo de Ártemis (também chamada de Diana pelos romanos) a deusa da caça; e não podemos esquecer que Corinto era famosa pelas procissões dionisíacas, a festa do profano, do vinho, do deus dos prazeres sexuais e do vinho: Dioniso, chamado pelos romanos de Baco. Corinto não era uma cidade que facilitava a vida dos queriam "morrer para o mundo e viver para Cristo" como queria Paulo. Estou dizendo tudo isto para chamar a atenção para o cuidado de Paulo para com os coríntios. Ele sabia da inconstância da alma e da fé daqueles homens e mulheres, tão dados e acostumados aos prazeres sem culpa, tão dados a vaidades e futilidades. As duas epístolas são claramente cartas de exortação. O apóstolo tem o claro papel de mostrar aos novos cristãos o têm feito de errado e como devem se comportar daí por diante. Chama a atenção, mas com carinho e amor.
Acho que foi por isso que fui buscar a repreensão que precisava em Paulo, e não em Salomão. E lá, no versículo 4 do capitulo 13, percebi o quanto estava errando e como eu estava dando lugar a um sentimento vil e mesquinho.
A gente por muitas vezes é incapaz de perceber que está involuindo ao invés de crescer.
Fiquei feliz por perceber a tempo, e agradeço a Deus por ter me mostrado (a despeito da falta de fé dos outros da chacota que possam fazer da minha) antes que o meu ciúme me impedisse de amar.
A partir de hoje, vou tentar controlar mais o meu ciúme. Acho que é uma decisão bem legal de se tomar um dia antes do dia dos namorados!!
huahua

4 comentários:

Carlos disse...

"Ah, Paulo! D´us escolheu muitos homens para falar através deles, mas nenhum como Paulo."
Acho difícil que o Altíssimo escolhesse alguém como Paulo, para falar através dele. Senão, vejamos:
1- Paulo era misógino, como você mesma pode ler: "O homem não deve cobrir a cabeça: porque ele é a imagem e o reflexo de Deus; a mulher, no entanto, é o reflexo do homem. Porque o homem não foi tirado da mulher, mas a mulher do homem. Nem o homem foi criado para a mulher, mas a mulher para o homem. Por isso a mulher deve usar na cabeça o sinal de sua dependência, por causa dos anjos" - I Coríntios XI - 7/10,
"Como em todas as Igrejas dos santos, fiquem as mulheres caladas nas assembléias, porque não é permitido que tomem a palavra. Mas fiquem submissas como ordena a lei. E quando quiserem se instruir sobre alguma questão, perguntem a seus maridos em casa. É inconveniente para a mulher falar na assembléia." - I Coríntios XIV - 34/35,
"Os esposos, Santidade do lar. As mulheres sejam submissas aos seus maridos, como ao Senhor, porque o marido é cabeça da mulher, como Cristo é cabeça da Igreja, ele, o salvador do Corpo. Como a Igreja está sujeita a Cristo, assim as mulheres estejam sujeitas em tudo a seus maridos" - Efésios V 22/24 - não creio que o desprezo e o ódio as mulheres seja um mandamento divino. E não creio que alguém assim possa falar pelo Altíssimo.
Era declaradamente um servo do Império Romano (e tinha um imenso orgulho da cidadania romana) e foi responsável pela fusão do Judaísmo com as piores supertições politeístas dos romanos (afinal, se ele achava que não vivemos mais debaixo da lei) e foi originador da heresia cristão.
Era defensor da escravidão (ver epístola a Filemon); por tudo isso acho difícil achar que D´us falaria para um tipo como esse. Além disso acho que a afirmação:
"um único D´us trino" é tão contraditória que eu nem não vou me dar ao trabalho de comentar. Único e trino? Faça-me ao favor...
O ciúme é realmente um sentimento ruim. Assim como a agressividade também é uma coisa ruim. Mas, como diz o Kohelet (Eclesiastes para os hereges), há um tempo de arar e semear, mas também há um tempo de lutar. Um pouco de ciúme e agressividade é útil, de vez em quando. Saber se defender também é uma mitzvah (mandamento).
PS: sei que você não vai gostar dos comentários, mas é como disse você - não estou escrevendo para que gostem do que eu digo, mas sim, para explicitar a minha posição.
Shalom aleichem (Paz para Todos), de qualquer modo...

Ana Luiza Paes Araújo disse...

Ah! Grande herege...
Como pode pertencer ao povo que é a menina dos olhos de Deus e não conseguir uovir o que Ele está te dizendo???
ahuahuahauhauha
Paulo estav certissimo quanto às mulheres, quanto mais quietas menos problemas causam. E o fato dela tererm que se submeter aos maridos não é uma invenção paulina e sim o castigo de eva: "o seu desejo pertencerá ao seu marido e ele te dominará" - não vou por aqui a referência pq estou sem a minha biblia e com pressa, mas acho que é genesis 4:2 ou 2:4 uhauahuah.
Pois, há tempo pra tudo sim, e você falou muito bem sobre os excessos, acho que o capitulo tres de eclesiastes diz tudo sobre isso.
Quanto ao unico Deus trino, quando escrevi abri um sorriso perverso antevendo a sua possivel reação...
hahahah
Acho que você devia receber Paulo com maior boa vontade, ler a carta aos hebreus, e entender de uma vez por todas que Deus cansou de ser o Deus de um único povo - e povo incrédulo, diga-se de passagem - e através do sacrifício de seu único filho (Yeshuah, não sei se tem "h" no final) resolvel dar a todos o direito de adorá-lo e de pertencer a Ele.

Carlos disse...

- "Paulo estava certíssimo quanto às mulheres, quanto mais quietas menos problemas causam"... Lembrarei disso na nossa próxima discussão (ou melhor: divergência de opiniões).
- "o seu desejo pertencerá ao seu marido e ele te dominará": a afirmação é encontrada em Gênesis 3:16. Se nem a Bíblia vocês, hereges, conhecem direito, como podem querer debatê-la conosco (e contra nós, na maior parte do tempo), o povo que a ofereceu a vocês?
- Yeshua... sem o "h" no final.
- E adorar a D´us não é um privilégio do povo hebraico. A Torah nos diz que existem justos em todas as nações (mas podemos entender religiões no lugar de nações, pois naquela época cada povo [nação] tinha a sua própria religião).
É uma proposição do judaísmo que qualquer pessoa "não-judia" será salva, desde que obedeça as sete leis de Noah (Noé), ou seja:
1.Avodah zarah - Não cometer idolatria.
2.Shefichat damim - Não matar.
3.Gezel - Não roubar.
4.Gilui arayot - Não cometer imoralidades sexuais.
5.Birkat Hashem - Não blasfemar.
6.Ever min ha-chai - Não maltratar os animais.
7.Dinim - Estabelecer sistemas e leis de honestidade e justiça.

O cumprimento dessas leis permite a qualquer um (não judeu) a mais perfeita comunhão com o Criador. Ao contrário de vocês, hereges, não negamos a salvação aos outros povos. Acreditamos que todos somos filhos do Altíssimo e que todos temos direito a Sua comunhão, apesar da afirmação em contrário de certos hereges.
A diferença é que nós, yehudim (judeus), que somos o povo escolhido, somos ordenados pela Torah à obediência a todas as 613 mitzvot (mandamentos). Mas não nos queixamos, afinal a servidão ao Senhor é uma doce servidão, como até os hereges sabem...
Mas se algum herege resolve se entregar de coração a doce obediência ao Altíssimo, o judaísmo o receberá de braços abertos. É uma obrigação de nossa religião, estabelecida pelo Criador, receber todo e qualquer herege que aceite verdadeiramente as Leis do Senhor. Então, estamos esperando você de braços abertos, pequena herege.

PS: Feliz dia dos namorados para você e para o seu verdadeiro amor. Diga a ele que acredito de coração que ele fez uma excelente escolha. Apesar de você não ser nenhuma Raquel, me parece que há um interesse verdadeiro em seu coração pela justiça e a verdade. Faço votos que o Criador de todos nós continue a iluminar a sua vida e guardá-la em todos os seus passos. E quem sabe um dia você não abandona a heresia?...
Kol tov! (Tudo de bom) Chag Smeach!
(Feliz Festa! [dos namorados]).

Rhenan disse...

você escreve perfeitamente...

*_*